Posso tratar os sintomas de COVID-19 com Bisolvon®?

Tosse seca | Constipação | COVID-19

A COVID-19 é uma doença infeciosa causada pelo vírus SARS-CoV-2 (abreviação de “Severe acute respiratory syndrome coronavirus 2”)1. O SARS-CoV-2 é altamente contagioso, o que significa que se espalha facilmente e de forma rápida1. Isto originou a pandemia global de COVID-191

A COVID-19 é, antes de mais, uma doença respiratória, o que significa que o vírus ataca os pulmões e as vias respiratórias1. No entanto, devido à forma como o vírus funciona, o SARS-CoV-2 pode ligar-se a todos os órgãos principais do corpo1. Portanto, além dos pulmões, a COVID-19 pode afetar os seguintes1:

  • Coração e sistema cardiovascular
  • Intestinos
  • Rins
  • Fígado
  • Cérebro

À medida que o vírus continua a sofrer mutações, espalha-se pelo mundo e surgem novas variantes1. Por esse motivo, é importante proteger-se a si e aos outros do vírus, tomando a vacina contra a COVID-19 e seguindo as medidas de saúde pública1.

Quais são os sintomas da COVID?

As pesquisas mostram que até um terço das pessoas infetadas com SARS-CoV-2 não apresentarão nenhum sintoma de COVID1. Essas pessoas são consideradas
assintomáticas1

Por outro lado, as pessoas que apresentam sintomas e desenvolvem COVID leve ou moderada podem apresentar qualquer um dos seguintes sintomas1, 2

  • Corrimento nasal 
  • Dores de cabeça 
  • Cansaço/apatia 
  • Espirros 
  • Garganta inflamada 
  • Febre 
  • Tosse 
  • Dor muscular  

É recomendável fazer um teste de SARS-CoV-2 se tiver alguns dos sintomas acima ou se tiver entrado em contacto com alguém que testou positivo1.

Atualmente, a variante dominante, que é uma versão mutante do coronavírus, é a variante Ómicron. Leia a secção seguinte para descobrir os sintomas mais comuns de uma infeção com a variante Ómicron. 

Para uma explicação detalhada sobre como os sintomas da COVID diferem dos sintomas de uma constipação ou gripe, leia o nosso artigo sobre os sintomas da gripe.

Sintomas de COVID-19: variantes Ómicron e Delta

A variante Delta do coronavírus foi detetada pela primeira vez em dezembro de 20201. A variante Ómicron foi encontrada quase um ano depois, em novembro de 20211.

Os sintomas da variante Delta da COVID-19 não diferem muito da versão inicial do coronavírus. Quando a variante Delta era predominante, os sintomas mais comuns eram, por esta ordem3:

  • Tosse (mais comum)
  • Febre
  • Cansaço, falta de energia ou debilidade
  • Dor muscular 
  • Dores de cabeça
  • Perda de olfato
  • Congestão nasal
  • Corrimento nasal 
  • Garganta inflamada

Quando a variante Ómicron se tornou predominante, os sintomas mais comuns passaram a ser2:

  • Corrimento nasal 
  • Dores de cabeça 
  • Cansaço/apatia 
  • Espirros 
  • Garganta inflamada 

Em comparação com a variante Delta, os sintomas da variante Ómicron mais prováveis são: garganta inflamada, febre e dores de cabeça3,4.

Outra diferença fundamental entre os sintomas das variantes Delta e Ómicron é que, com a Ómicron, a perda de paladar e olfato foram sintomas menos mencionados3,4.

Quanto tempo duram os sintomas da COVID?

O tempo necessário para recuperar da COVID varia de pessoa para pessoa. No entanto, a variante Ómicron é menos grave que a Delta3, e os cientistas conseguiram determinar o período de tempo médio que os sintomas da COVID demoram a desaparecer, para cada uma das suas variantes4.

A pesquisa descobriu que, no caso de pessoas que receberam a vacina contra a COVID, os sintomas da Ómicron duram em média 6,87 dias, enquanto os sintomas da variante Delta desaparecem após 8,89 dias, em média4.

No caso de pessoas que receberam duas doses da vacina contra a COVID mais uma dose de reforço, o tempo médio de recuperação é ainda menor: 4,4 dias para a Ómicron e 7,7 dias para a Delta4.

O que deve fazer se tiver COVID-19?

Se tem COVID leve ou moderada, os seguintes pontos são importantes6,7:

  • Autoisolamento (ficar em casa) 
  • Descansar bastante
  • Beber bastante líquido para evitar a desidratação
  • Ingerir alimentos nutritivos

A OMS recomenda tomar medicamentos como paracetamol ou ibuprofeno para baixar a febre7.

Como aliviar a tosse da COVID-19

Existem algumas coisas que pode tentar para aliviar a tosse, como7,8:

  • Sentar-se em vez de deitar-se. Uma postura sentada pode tornar a tosse mais eficaz, o que ajuda a limpar as vias respiratórias
  • Tomar 1 colher de chá de mel para aliviar a tosse (para adultos e crianças com mais de 1 ano de idade)
  • Tomar medicamentos de venda livre para tosse, como o cloridrato de bromexina (Bisolvon®)

Pode-se tomar Bisolvon® para aliviar a tosse da COVID-19?

Bisolvon® contém bromexina como ingrediente ativo, que ajuda a aliviar a tosse de forma comprovada e a eliminar o muco dos seus pulmões9,10.

É importante ter em conta que estes medicamentos para a tosse não visam especificamente o tratamento da COVID-19 e podem apenas fornecer alívio dos sintomas8, já que não visam o vírus que causa a COVID-19 nem reduzem a gravidade da doença.

Existem tratamentos para a COVID-19 que visam o vírus e reduzem a doença (como antivirais), mas tendem a ser recomendados para pessoas hospitalizadas ou com alto risco de desenvolver COVID-19 grave1,6.

PERGUNTAS FREQUENTES

  • Em média, os sintomas da COVID aparecem 5,1 dias após a exposição ao vírus1. Para a grande maioria das pessoas, os sintomas aparecem dentro de 11,5 dias após a
    infeção1.

  • A cor do muco da COVID pode variar entre claro (no caso de corrimento nasal) e branco, turvo ou amarelo5.

  • De acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC), em casos leves a moderados, é possível contagiar até 10 dias após os primeiros sintomas, e até 20 dias no caso de COVID grave11.

  • Para algumas pessoas, os sintomas não desaparecem após alguns dias ou semanas, mas duram vários meses. Esses casos denominam-se COVID longa ou 'condição pós-COVID-193'.

    Na COVID longa, os sintomas tendem a persistir 3 meses após o desenvolvimento da COVID-19 e duram pelo menos 2 meses3. Os sintomas da COVID longa mais comuns são3:

    • Fadiga crónica
    • Dor de cabeça
    • Perda do olfato

    Com a COVID longa, também existe a possibilidade de sofrer3:

    • Falta de ar, tosse e dor de garganta
    • Dor no peito
    • Batimentos cardíacos irregulares (arritmia)
    • Dificuldades de concentração
    • Problemas de sono
    • Depressão

    Os sintomas menos comuns da COVID longa incluem3:

    • Sintomas gastrointestinais
    • Problemas renais
    • Problemas de pele

    Tomar a vacina contra a COVID reduz as probabilidades de desenvolver COVID
    longa3.

ÚLTIMO

CONSELHO

Consulte o seu médico se tiver qualquer preocupação relacionada com os seus sintomas de COVID-19. Procure atendimento urgente se a sua condição piorar ou se tiver sintomas como dificuldade para respirar, dores no peito ou tonturas7.


    [1] Cascella M, Rajnik M, Aleem A, et al. Features, Evaluation, and Treatment of Coronavirus (COVID-19) [Atualizado no dia 30 de junho de 2022]. Em: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; Janeiro de 2022. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK554776/

    [2] What are the symptoms of Omicron?, ZOE Editorial Staff, ZOE app, visitado em 24/10/22, disponível em https://joinzoe.com/learn/omicron-symptoms

     [3] European Centre for Disease Prevention and Control, Clinical characteristics of COVID-19, visitado em 10/10/22, disponível em https://www.ecdc.europa.eu/en/covid-19/latest-evidence/clinical

    [4] Wise J. Covid-19: Symptomatic infection with omicron variant is milder and shorter than with delta, study reports BMJ 2022; 377 :o922 doi:10.1136/bmj.o922  

    [5] Wang Y, Zhang M, Yu Y, Han T, Zhou J, Bi L. Sputum characteristics and airway clearance methods in patients with severe COVID-19. Medicine (Baltimore). Novembro de 2020;99(46):e23257. doi: 10.1097/MD.0000000000023257. PMID: 33181718; PMCID: PMC7668462.  

    [6] COVID-19 Treatment Guidelines Panel. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Treatment Guidelines. National Institutes of Health. Visitado em 10/10/22, disponível em https://www.covid19treatmentguidelines.nih.gov/management/clinical-management-of-adults/nonhospitalized-adults--therapeutic-management/

    [7] Clinical management of COVID-19: Living guideline, 23 June 2022. Geneva: World Health Organization; 2022 (WHO/2019-nCoV/Clinical/2022.1). Licença: CC BY-NC-SA 3.0 IGO.  

    [8] BMJ Best Practice, Coronavirus disease 2019 (COVID-19), visitado em 10/10/22, disponível em https://bestpractice.bmj.com/topics/en-gb/3000201

    [9] Kardos P, Dinh QT, Fuchs KH, Gillissen A, Klimek L, Koehler M, Sitter H, Worth H. German Respiratory Society guidelines for diagnosis and treatment of adults suffering from acute, subacute and chronic cough. Respir Med. Setembro e agosto de 2020;170:105939. doi: 10.1016/j.rmed.2020.105939. Epub 2020 Apr 25. PMID: 32843157.  

    [10] National Center for Biotechnology Information (2022). PubChem Compound Summary for CID 5702220, Bromhexine Hydrochloride. Visitado em 11/10/22, disponível em https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/Bromhexine-Hydrochloride

    [11] European Centre for Disease Prevention and Control. Guidance for discharge and ending isolation of people with COVID-19. Outubro de 2020. Stockholm: ECDC; 2020.


Sanofi - Página Principal

Bisolvon® (cloridrato de bromexina), adjuvante mucolítico do tratamento antibacteriano das infecções respiratórias em presença de hipersecreção brônquica. Precauções/contraindicações: gravidez, aleitamento, hipersensibilidade à composição, úlcera gastroduodenal, doença hepática e insuficiência renal, asma, lesões cutâneas, intolerância à frutose (xarope), intolerância à galactose (comprimidos). Não associar com um antitússico nem com um secante de secreções. Pode haver um aumento no fluxo das secreções. Os comprimidos contêm lactose. O xarope está isento de açúcar, sendo por isso adequado para diabéticos. O xarope Criança só deve ser administrado a crianças com menos de 2 anos de idade com supervisão médica. Leia atentamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico. (3.0)

Bisoltussin® Tosse Seca e Bisoltussin® (Dextrometorfano). Tratamento sintomático de tosse irritativa e seca. Precauções/contra-indicações: gravidez, aleitamento, doenças respiratórias, hipersensibilidade à composição, adolescentes e jovens adultos, doentes com antecedentes de abuso de drogas ou de substâncias psicoativas, doentes a tomar anti-depressivos inibidores da monoaminoxidase, doentes asmáticos; doentes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose; doentes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose não devem tomar este medicamento dado que contém maltitol líquido; crianças com idade inferior a 2 anos, a menos que recomendado pelo médico uma vez que Bisoltussin® contém ciclodextrina; crianças com menos de 5 anos que já estão a administrar um substrato para a álcool desidrogenase ou doentes com função renal ou hepática comprometida, uma vez que Bisoltussin® Tosse Seca contém propilenoglicol. Em doses superiores às recomendadas pode causar adição. Leia atentamente os folhetos informativos. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico. (5.0)

Bisolnatural® 2 em 1 e Bisolnatural® 2 em 1 Sem Açúcar são dispositivos médicos para a tosse (tosse seca e tosse produtiva). Bisolnatural® 2 em 1 é indicado para adultos e crianças + 1 ano de idade. Bisolnatural® 2 em 1 Sem Açúcar é indicado para adultos e crianças + 2 anos de idade, contém glicerol (pode causar dor de cabeça ou desconforto digestivo leve) e em caso de supervisão médica, gravidez ou amamentação deverá ser consultado o médico antes da sua toma.

Não utilizar em caso de hipersensibilidade ou alergia individual a um ou mais componentes. Ler cuidadosamente a rotulagem e as instruções de utilização. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico. (1.0) MAT-PT-2300994 v1.0 Novembro 2023